CONECTAGRO: A REDE SOCIAL DO AGRONEGÓCIO

  
       A ReHAgro – empresa voltada ao conhecimento e capacitação de pessoas no meio rural - lançou o Conectagro (www.conectagro.com.br). Trata-se de uma rede social voltada aos profissionais do agronegócio que já conta com 1,2 mil pessoas entre médicos veterinários, zootecnistas, agrônomos, produtores, criadores e estudantes.          
       “O profissional do agronegócio precisa conectar-se ao conhecimento, às inovações e a troca de experiência profissional. E, sendo os brasileiros os que mais participam das redes sociais, também no agronegócio esta é uma grande ferramenta para criar uma rede de profissionais deste segmento, mantendo-os conectados à informações, e outros profissionais”, explica André Bruzzi, Gerente Nacional de Negócios do ReHAgro.       
       Além de divulgar o perfil profissional, ampliando a rede de contatos e gerando oportunidades de negócio, a rede Conectagro propõe um conteúdo colaborativo através da seção ‘Perguntas & Respostas’, onde os profissionais trocam experiências. “Este recurso é um importante difusor de informação e conhecimento e possibilita que dúvidas sejam colocadas e principalmente respondidas, socializando-se o conhecimento no agronegócio”, comenta Bruzzi. Os profissionais que mais colaborarem nesta seção acumulam pontos na rede.         
       No Conectagro também há espaço para compartilhar fotos, vídeos, calendário de eventos, cursos e para criação de grupos segmentados, como os já formados reunindo confinadores, agricultores, criadores de raças de corte, leite ou interessados em assuntos específicos como reprodução, citrus, orgânicos, aquicultura, logística ou gestão de pessoas. Já existe inclusive uma comunidade específica sobre ’Mulheres no Agronegócio´.           
       “A adesão do mercado ao Conectagro foi um sucesso e esperamos até o final deste ano mais de 3.500 profissionais estejam conectados e que esta rede seja uma importante ferramenta de conhecimento e de crescimento para o agronegócio brasileiro”, conclui. 

FONTE: Luciana Franco (Globo Rural)