ADUBAÇÃO COM NITRATO DE NÍQUEL NO CAFEEIRO


 Laura Pimenta

        Pesquisa desenvolvida pelo aluno do curso de Agronomia da FAZU (Faculdades Associadas de Uberaba), Mathias Octávio Roxo Nobre Filho, com a orientação do professor Dr. André Luiz Teixeira Fernandes, verificou a possibilidade do aumento de lucratividade de até R$ 2000,00 por hectare de café irrigado, através da adubação do solo com nitrato de níquel.
        Segundo Mathias, na maioria das publicações sobre fertilidade de solos e adubação, o elemento mineral níquel aparece como metal pesado e tóxico para as plantas. Porém, por ser um elemento essencial à vida das plantas deve estar presente no solo em níveis equilibrados com a exigência nutricional dos vegetais. Este elemento ocorre naturalmente em solos derivados de rochas ultra-básicas e, eventualmente, são adicionados ao solo como resíduos de indústrias, na forma de lixo ou lodo de esgoto. “Novos estudos têm mostrado que a utilização de níquel nas plantações pode incrementar a produtividade das lavouras, diminuindo a ocorrência de doenças e melhorando a sustentabilidade da atividade agrícola. A utilização do níquel como micronutriente já é recomendada pela American Association of Plant Food Control Officials, sendo este elemento citado como "essencial" na Instrução Normativa N°. 5 do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento”, explica o aluno de Agronomia.
        Apesar de haver evidências de que o níquel participa do metabolismo do nitrogênio, tendo papel fundamental na resistência da planta às doenças e sendo determinante no aumento da produtividade de diferentes espécies cultivadas, na cultura do café, trabalhos sobre este elemento são praticamente inexistentes. “Justamente por isso, o trabalho teve como objetivo estudar os efeitos do elemento níquel (Ni), na produção do cafeeiro irrigado, cultivado no noroeste de Minas Gerais”, explica o aluno.
       Os resultados da pesquisa serão apresentados no dia 27 de setembro, a partir das 13h50, no auditório da biblioteca “Dora Sivieri”, quando o aluno fará a defesa de seu Trabalho de Conclusão de Curso. Na oportunidade, serão passadas todas as doses corretas e as épocas de aplicação para que esse aumento de lucratividade aconteça. 

FONTE: Revista Cultivar