RENDA DO TRABALHADOR DO AGRO CRESCE ACIMA DA MÉDIA

João Medeiros

         Um novo estudo realizado pela RedeAgro concluiu que a renda dos trabalhadores no agro vem subindo acima da média do País nos últimos anos. Os salários agrícolas ainda são mais baixos que os de outros setores, mas o aumento da renda mensal dos trabalhadores do agro foi de 17% ao ano, contra 14% em média nos outros segmentos, no período de 2002 a 2004. “Esse dado indica que houve um ganho salarial real para os trabalhadores do setor nos últimos anos”, afirmam no estudo as autoras Paula Moura e Laura Antoniazzi.
         A evolução de empregos e salários foi analisada por meio de dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), realizada anualmente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). As autoras consideraram como trabalhadores do agro todas as pessoas com ocupação na cadeia dos produtos agropecuários, desde os trabalhadores rurais até os executivos das grandes empresas do setor. Os trabalhadores do campo representam cerca de 70% do total de empregos agro.
        Apesar de mostrar um crescimento de renda maior, o agro manteve o número de empregos praticamente constante no período pesquisado. Já os setores não agro aumentaram em 5% ao ano o número de empregados entre 2002 e 2009.

Categorias

         As diferenças entre o crescimento da renda dos setores agro e não agro são ainda maiores em algumas categorias específicas de trabalhadores. Entre os profissionais de nível superior em empresas agrícolas, o salário mensal cresceu em média 22% ao ano, enquanto que nas empresas não agro o avanço foi de 9% ao ano. “Isso significa que, apesar de o nível de salário ser maior nas empresas não agro, essa diferença está diminuindo com o tempo”, afirmam as autoras. O salário dos profissionais graduados no agro passou de R$ 1.033 em 2002 para R$ 2.349 em 2009. No caso dos profissionais de mesma formação em empresas não agro, o rendimento mensal subiu de R$ 1.569 para R$ 3.153.
         No caso da categoria de trabalhadores em “serviços e apoio à produção”, a renda mensal no agro era muito inferior às das empresas não agro em 2002, mas elas praticamente se equipararam em 2009. Os trabalhadores dessa categoria em empresas agrícolas tiveram um aumento do salário médio mensal de R$ 155 para R$ 767 entre 2002 e 2009, enquanto em empresas não agrícolas o aumento foi de R$265 para R$785 no período analisado.
         Na evolução da renda média mensal de diretores e gerentes em empresas do setor agrícola, o salário passou de R$373 em 2002 para R$1.346 em 2009, enquanto em empresas não agrícolas o aumento foi de R$1.251 para R$ 3.046. Em termos percentuais, os valores representam um crescimento de 20% por ano para empresas do agro e 13% por ano para outros setores.

Valor por hora

        Para anular possíveis diferenças de jornadas de trabalho nas diferentes carreiras, as autoras também analisaram o rendimento dos trabalhadores por hora trabalhada. Chegaram às mesmas conclusões, mostrando que tanto o salário por mês quanto o por hora aumentaram na mesma proporção. “Isso permite concluir que o aumento da renda não está necessariamente relacionado a uma jornada de trabalho mais longa”, diz o estudo. “Embora haja aumento da renda em termos reais em todos os casos, os aumentos nas empresas agrícolas são maiores proporcionalmente.”

FONTE: Rede Agro