NOVA CRISE ALIMENTAR É IMPROVÁVEL, AVALIA FAO NA CHINA


Apesar da recente escalada dos preços dos grãos, o mundo dificilmente vai passar por uma nova crise alimentar como a de 2007/2008, afirmou a representação da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) na China, conforme reportagem publicada na última sexta, dia 24, no site do jornal China Daily. Segundo o assistente da FAO no país, Zhang Zhongjun, a produção global de grãos deve aumentar 2% em 2012/2013, enquanto que o consumo deve crescer 1,8%. Ele lembra que a crise alimentar de 2007/2008 foi precedida por dois anos de queda na produção agrícola.
Mesmo assim, a FAO alerta que há riscos se os países não aplicarem políticas de investimentos de longo prazo adequados à agricultura. Segundo Zhongjun, apenas o aumento da produção total de grãos não pode garantir a estabilidade dos preços dos alimentos. É necessário que haja um equilíbrio no mercado global e uma política bem coordenada entre os países.
A autoridade também defende políticas como o estabelecimento de limites nas importações e no uso de grãos para fins não alimentares, como o milho destinado à produção de etanol nos Estados Unidos.
No longo prazo, o representante da FAO avalia que é necessário aumentar investimentos na agricultura para garantir uma oferta confortável de alimentos.
– Prevê-se que a população mundial cresça para mais de nove bilhões de pessoas em 2050. Nós temos terra e água suficientes para alimentar a população enquanto houver investimentos suficientes para desenvolver a agricultura, especialmente em áreas pobres da África e da América Latina – comenta Zhang.
Segundo ele, a maior contribuição que a China faria para o mundo seria conseguir alimentar sua própria população sem precisar importar grandes quantidades de alimentos num momento em que os preços globais já estão em alta.

FONTE: Agência Estado