EMBRAPA ENTREGA SEMENTES DE MILHO TRADICIONAL AO POVO INDÍGENA DO XINGÚ


A Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, uma das 47 unidades da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa, através de uma ação do Projeto "Fortalecimento cultural e conservação de alimentos tradicionais no Parque Indígena do Xingu", devolveu ao povo indígena Kayabi (aldeia Ilha Grande, Parque Indígena do Xingu, MT) sementes de milho tradicionais, que os índios não possuíam mais em função de fatores de dinâmica cultural e de manejo de suas roças. As sementes foram entregues no final de agosto de 2012, época próxima ao início do ano agrícola de 2012/2013, e serão úteis não apenas à aldeia Ilha Grande, mas também para outras aldeias Kayabi do Xingu.
Essa ação é representativa do ponto de vista científico, pois marca o fim de um ciclo (coleta de amostras – conservação – recuperação – devolução). As sementes de milho foram coletadas no ano 2000, em parceria com a Fundação Nacional do Índio – FUNAI, com o objetivo de mapear a situação agrícola das aldeias do Parque Indígena do Xingu. Em 2001, foram enviadas à Embrapa Milho e Sorgo, Sete Lagoas, MG, onde foram incorporadas ao sistema de conservação de milho, nas câmaras de conservação daquela Unidade.
– Em 2010, recebemos uma carta dos índios Kayabi das diversas aldeias do Parque Indígena do Xingu, solicitando ajuda para recuperarem variedades tradicionais de milho que haviam perdido. Em 2012, na véspera de se iniciar o ano agrícola de 2012/2013, as sementes foram, então, entregues diretamente ao cacique Siranhu e sua comunidade da aldeia Ilha Grande – conta o pesquisador Fábio Freitas

Embrapa e povos indígenas

A ação mostrou ainda que, mesmo em uma aldeia muito comprometida com a manutenção dos seus cultivos tradicionais como é o caso da Kayabi, fatores internos e externos podem levar a perda de produtos agrícolas. E é neste espaço que a Embrapa, dentro de sua missão de conservar recursos genéticos para o futuro, pode se inserir com competência e ajudar.
As sementes devolvidas servirão não apenas para a aldeia Ilha Grande, mas também para outras etnias Kayabi do Xingu. A divisão e entrega serão feitas pelo cacique Siranhu, em função da dinâmica cultural daquele povo.

FONTE: RuralBR – Com informações da EMBRAPA