PARANÁ QUER TORNAR AGRICULTURA MAIS SUSTENTÁVEL


O problema da deriva na aplicação de defensivos agrícolas volta a preocupar os órgãos de agricultura e meio ambiente do Paraná. De acordo com o secretário de Estado da Agricultura e do Abastecimento (Seab), Norberto Ortigara, o modo correto de aplicação não tem sido adotado em muitas propriedades paranaenses.
 O secretário reclama que está havendo um exagero no número de aplicações de agrotóxicos nas lavouras do Estado, principalmente nas culturas de soja e milho. "Três ou quatro aplicações para combater uma ferrugem, por exemplo, é desnecessário", enfatiza. Deriva, segundo especialistas, é quando o agrotóxico pulverizado "escapa" da área em que deveria ser aplicado.
 O uso inadequado desses produtos acendeu o alerta vermelho na secretaria, que já organizou um pacote de medidas para aumentar a eficiência e tornar a agricultura uma atividade mais produtiva e sustentável. Uma delas é a expansão para todo o Estado do Programa Estadual de Melhoria da Qualidade das Aplicações e Combate das Derivas de Agrotóxicos (Acerte o Alvo), que tem por objetivo mostrar aos produtores, por meio da assistência técnica, a forma adequada de quando e como aplicar um produto químico na lavoura.
 Criado em 2004 pela Seab, com apoio do Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), Instituto Ambiental do Paraná (IAP), Associação Norte Paranaense de Revendedores Agroquímicos (Anpara), entre outros parceiros, o programa oferece suporte ao produtor na hora da aplicação. Lançado oficialmente em 05/09/13 para todo o Estado, o projeto espera capacitar, até 2018, 24 mil produtores e aplicadores de agroquímicos e 2,4 mil profissionais ligados à assistência técnica e extensão rural, espalhados por todo o Paraná.
 Ortigara revela que muitos produtores estão jogando dinheiro fora, além de "emporcalhar o meio ambiente". "Precisamos utilizar esses produtos de forma responsável, sem desperdícios, verificando sempre se os bicos de pulverização estão bem regulados", aponta o secretário. Ele completa que os agroquímicos só devem ser usados quando realmente for necessário.

Atenção

Nelson Harger, engenheiro agrônomo do Emater, salienta que aplicar defensivos não é uma tarefa fácil, por isso é necessário apoio técnico. Antes de iniciar o processo, o especialista recomenda a verificação do sistema de filtro do pulverizador. "Muitos aplicadores não se atentam a essa necessidade." Harger destaca que é comum ver nas propriedades problemas como falta de limpeza das máquinas e equipamentos inadequados para o tamanho da área, entre outras situações.
 O técnico explica que um pulverizador grande necessita de uma área maior. Ele disse que geralmente os produtores que utilizam equipamentos maiores em áreas menores acabam destruindo os terraços, ocasionando outro problema crescente no Estado, que é a erosão. "Queremos que os produtores apliquem apenas nas plantas, na quantidade indicada, e com os bicos calibrados", descreveu Harger.


FONTE: FolhaWeb