MONSANTO REJEITA ROTULAGEM INDICANDO TRANSGÊNICOS


        Investidores da companhia de agronegócio Monsanto rejeitaram, na reunião anual de acionistas nessa terça, dia 28, em Nova York (EUA), uma proposta que forçaria a empresa a indicar em rótulos a presença de ingredientes geneticamente modificados, depois de gastar milhões fazendo lobby contra isso em nível estadual. Os votos a favor representaram apenas 4% das ações da Monsanto.
      A proposta, no entanto, levou o executivo-chefe da companhia, Hugh Grant, a discutir pessoalmente com alguns críticos ferozes das práticas de negócios de sua empresa, coisa que a Monsanto quase não fazia no passado.
        – Nós simplesmente não nos envolvemos no nível em que deveríamos com todos os nossos públicos e, por isso, pedimos desculpas. Há um reconhecimento de que precisamos fazer mais – disse Grant na reunião.
        Do lado de fora, manifestantes contra transgênicos se reuniam entre carros enfeitados com legumes gigantes e brilhantes. Durante a reunião, o executivo enfrentou críticas de vários advogados de consumidores que escarneceram da empresa por promover o uso de pesticidas e utilizar a sua influência para encobrir as origens dos alimentos. Os advogados disseram representar proprietários de ações da Monsanto.
        Os esforços de alguns acionistas para obter o apoio da empresa à rotulagem de organismos geneticamente modificados (OGMs) ocorrem após defensores de tais medidas lutarem contra empresas agrícolas e de alimentos, que têm argumentado que a rotulagem elevará o custo dos alimentos e dará a impressão de que os produtos agrícolas cultivados a partir de sementes transgênicas não são seguros.
        Na semana passada, legisladores do Estado norte-americano de New Hampshire rejeitaram um pedido de rotulagem de OGMs, após um plebiscito altamente controverso em Washington em novembro ter decidido contra a indicação na embalagem. Maine e Connecticut, enquanto isso, já aprovaram leis que exigem esse tipo de rótulo, embora a medida não entre em vigor até que outros Estados aprovem medidas semelhantes. Há propostas semelhantes pendentes em outros Estados.
        – Neste momento, há um movimento crescente para rotular alimentos geneticamente modificados. A Monsanto escolheu infelizmente resistir aos direitos do povo americano – disse Dave Murphy, diretor-executivo da Food Democracy Now!, que apresentou a proposta de rotulagem na reunião da Monsanto na terça.
        Grant respondeu que a Monsanto apoia a rotulagem "voluntária" de alimentos produzidos com ingredientes geneticamente modificados. Essa abordagem, segundo ele, é mais justa para os consumidores que não estão tão preocupados com a genética do grão que vai em seu cereal matinal ou que alimenta o gado a partir do qual é produzido um bife. A reunião de acionistas – a primeira da empresa a ser transmitida pela internet – também atraiu a presença de apoiadores da Monsanto.
        Justin Danhof, conselheiro geral para o Centro Nacional de Pesquisa de Políticas Públicas, criticou o que chamou de uma "campanha de ciência lixo" contra alimentos biotecnológicos. Ele sugeriu à Monsanto que assuma a ofensiva e liste seus cientistas como porta-vozes para falar no rádio e outros meios de comunicação e "explicar questões e responder perguntas do público". O CEO da Monsanto elogiou a ideia.


FONTE: Estadão Conteúdo.