O HORMÔNIO DE CRESCIMENTO DA MÍDIA



Vander Pinheiro
Zootecnista – Quality Agropecuária

        Na Zootecnia, em qualquer seguimento da produção animal, temos como principal meta diminuir os custos da produção em quaisquer atividades (pecuária, suinícola, avícola, etc), uma vez que precisamos produzir com sustentabilidade e rentabilidade econômica, ponto, isso é fato.
        Na avicultura, por exemplo, atuamos com o MELHORAMENTO GENÉTICO de linhagens comerciais de galinhas poedeiras e FRANGOS DE CORTE, em busca de animais de alta EFICIÊNCIA ALIMENTAR (conversão alimentar = quilograma de ração consumido/quilograma de peso corporal produzido). A melhoria da conversão alimentar visa o abate destes animais aos 42 dias de idade, com alto rendimento de carcaça com média de 2 - 2,5 Kg, o que antes, com animais não melhorados geneticamente, não acontecia em tão pouco tempo. Portanto, tenhamos em mente que, tal ganho deve-se, quase que única e exclusivamente, à evolução no melhoramento genético destes animais, conferindo-lhes tal capacidade e superioridade aos animais de 40 anos atrás.
        Espero que a Fátima Bernardes e o Fausto Silva leiam isto (rs). E que a SADIA e a SEARA atuem com ética e não pratiquem concorrência desonesta, ao tentar enganar a alguns consumidores (leigos por desinteresse), insinuando que apenas os frangos produzidos por elas é que são isentos de hormônios de crescimento. A utilização de hormônios na avicultura é um mito, visto que para aplicar em 20000 aves, por exemplo, elevaria os custos absurdamente em função do manejo inviável.
        Para que surta efeito no crescimento, o hormônio deve ser injetado ave por ave ainda com poucos dias de idade e isso demandaria tempo e mão de obra, o que por sua vez, aumentaria os custos de produção e ninguém em sã consciência vai querer investir nesse tipo de manejo. Assim como foi obrigado por lei, que determinadas marcas de óleos vegetais, mudassem a informação dos rótulos das embalagens nos quais estava escrito: "100% livre de colesterol", para: "100% livre de colesterol, assim como todo óleo de origem vegetal", deveria haver também nas embalagens de frangos: "FRANGO LIVRE DE HORMÔNIOS, ASSIM COMO TODOS AQUELES CRIADOS POR UM PROFISSIONAL RESPONSÁVEL DE UMA EMPRESA QUE NÃO QUER AUMENTAR OS CUSTOS COM A SUA PRODUÇÃO".