O campo é o culpado pela crise hídrica?
  
       Algumas pessoas têm a péssima mania de querer “vilanizar” a agropecuária brasileira, colocando-a como culpada por todas as mazelas ambientais e crises que acontecem em nosso país. A verdade é que o produtor rural deveria ser exaltado como um grande herói, somente pelo fato de carregar nas costas o pouco crescimento econômico que nosso país tem apresentado nos últimos tempos. O ser humano é o único animal terrestre que tem a capacidade de contaminar o solo que o alimenta e suas fontes de água naturais como minas, rios, açudes, córregos e lagoas. E ainda dizem que somos racionais! Não temos sequer o bom senso de chupar uma bala e guardar o plástico ou papel no bolso para descartá-lo adequadamente em uma lixeira, simplesmente o jogamos na rua, que posteriormente será carregado pelas enxurradas e vai parar nas reservas hídricas de nossas cidades.
      Infelizmente, somos um povo sem consciência e na hora do aperto, a única coisa que nos interessa é buscar por culpados. Foi preciso que um sistema de abastecimento como a Cantareira em São Paulo viesse atingir níveis abaixo do mínimo de água, presenciar a redução absurda dos níveis de água na principal nascente do Rio São Francisco, na Serra da Canastra; do Rio Jequitinhonha e das represas de Minas Gerais para que nos preocupássemos um pouco.
A Embrapa confirma que é inédito o nível de seca que estamos presenciando no Brasil e explica que está acontecendo devido a variação no clima da terra, provocada por um ciclo natural nos Oceanos Pacífico e Atlântico, que estão retirando energia da atmosfera e absorvendo em suas águas profundas. Isso reduz a frequência e a força das frentes frias que vem do Pólo Sul para o Sudeste e são responsáveis pelas chuvas regulares que estávamos acostumados. Outro fenômeno que está interferindo na regularidade das chuvas é o bloqueio atmosférico que acontece em razão de uma zona de alta pressão que se forma sobre o Atlântico (mais quente) e impede a entrada das frentes frias, que chegam ao máximo até o estado do Paraná. No inverno, esse bloqueio acontece naturalmente e tende a se dispersar com a chegada do verão, no entanto, isso não aconteceu nos últimos dois anos.
            O secretário de agricultura do estado de São Paulo, Arnaldo Jardim, afirmou em janeiro desse ano que restringirá o uso de água para a irrigação e afirmou que os pivôs centrais são  tecnologias defasadas, pois “usam muita água para pouco efeito em produtividade”, portanto deverão ser desativados. De onde sai tanta ignorância? Pergunte aos produtores de grãos que não tem sistemas de irrigação se eles estão satisfeitos com as colheitas dessa safra?
         O Campo também tem a sua parcela de culpa, pois, utilizamos a irrigação de maneira irracional e somos responsáveis pela contaminação dos recursos hídricos por agrotóxicos e fertilizantes. Na maioria das propriedades rurais ainda estamos acostumados a realizar uma “molhação” em vez de irrigação propriamente dita. São raras as propriedades que adotam um manejo de irrigação adequado com base nos parâmetros edafoclimáticos e fisiológicos das culturas. Portanto, nossos sistemas são ineficientes não porque estão defasados e sim pela falta de conhecimento técnico daqueles que manejam esses sistemas. Além disso, não temos planejamento estratégico para o aproveitamento das águas das chuvas ou águas residuárias em nossas propriedades rurais.      
Nosso sistema agrícola pode ser um “produtor de água” se adotar sistemas de coleta, tratamento e armazenamento eficazes das águas pluviais; atuarmos na recuperação de nascentes e proteção dos cursos d’água; realizar cultivos conservacionistas como plantio direto, integração lavoura-pecuária-floresta, plantio em nível e uso de terraços, etc. O grande problema é que muitos princípios básicos da teoria acabam sendo ignorados na prática.