EMBRAPA APRESENTA TRÊS NOVAS VARIEDADES DE FEIJÃO CAUPI


         Os agricultores do Semiárido já podem contar com três novas variedades de feijão caupi. As cultivares BRS Tapaihum, BRS Acauã e BRS Carijó foram desenvolvidas por uma equipe coordenada pelo pesquisador Carlos Antonio Fernandes Santos, da Embrapa Semiárido.
         O feijão caupi é uma das culturas mais importantes para a população da região, tanto como principal fonte de proteína na alimentação, quanto na geração de renda e emprego, Nos sertões da Bahia, Pernambuco e Piauí, as opções de plantio para esta espécie estão limitadas a cultivares de grãos de cores marrom, canapu e mulato, principalmente.
         Segundo a Embrapa, os novos materiais oferecem opções interessantes de plantio, pela alta produção, precocidade e resistência a doenças. A BRS Tapaihum, por exemplo, é a primeira cultivar de grão de revestimento preto, disponibilizada pela pesquisa para consumo humano. No Rio Grande do Sul e Santa Catarina há cultivares com essa coloração, mas usadas para adubação verde.
         Tapaihum é uma palavra indígena da etnia Pataxó e que significa preto. De acordo com o pesquisador Carlos Antonio, misturada à carne de caprina defumada, poderá ser uma opção para consumidores cozinharem uma autêntica feijoada nordestina. 

 Características

        A BRS Acauã, por sua vez, é a primeira cultivar tipo “canapu” desenvolvida pela pesquisa agropecuária brasileira. Os grãos desta espécie, de acordo com o órgão, são de cor clara amarelada, formato arredondado, sabor agradável e coloração persistente durante o armazenamento. Ela é recomendada para áreas irrigadas e de sequeiros dos sertões da Bahia, Pernambuco e Piauí.
A BRS Carijó é do tipo "fradinho", tendo sido desenvolvida para as condições de cultivo do vale do São Francisco, que até então não tinha esse tipo de cultivar.
         De acordo com Carlos Antonio, os estudos para desenvolvimento dessas variedades duraram cerca de oito anos e o resultado veio para preencher algumas lacunas no cultivo do feijão, dentro da região. "A cultivar ocupa o espaço do feijão-fradinho, que não é muito tradicional na nossa região e não tinha disponibilidade de cultivares. A BRS Tapaihum ocupa o espaço que não havia de variedades de tegumento preto. A BRS Acauã é um feijão tipo canapu, que já existe na região, mas o que o produtor normalmente cultiva pode ser altamente atacado por viroses. E esse BRS Acauã apresenta tolerância a essas viroses", explica. 

FONTE: Globo Rural Online