AGRICULTURA DE BAIXO CARBONO: MINAS LIDERA APLICAÇÕES DE CRÉDITO NO PAÍS


Minas Gerais lidera, no Brasil, a aplicação de crédito rural na safra 2011/2012 para desenvolver as boas práticas de produção recomendadas pelo programa Agricultura de Baixo Carbono (ABC). No período de julho do ano passado a abril de 2012, os agricultores mineiros buscaram R$ 114,8 milhões no Banco do Brasil para investimentos, mediante acordo de cooperação entre a instituição e a Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa).
De acordo com o gerente de Negócio do banco, Sinvaldo Vieira dos Santos, a perspectiva é favorável à expansão da demanda de crédito para o programa ABC em Minas Gerais, considerando que o número de contratos no Estado este ano já representa quase o dobro do registrado em 2011.
Em 2012, já foram realizados 255 contratos para atender às propriedades mineiras. Segundo Alceste Fernando Lima, assessor técnico da Seapa, os produtores do Triângulo Mineiro/Alto Paranaíba firmaram 91 compromissos e estão na liderança também do valor contratado: R$ 32 milhões.
“O Norte de Minas ocupa o segundo lugar, com R$ 12,5 milhões, e em seguida vem o Noroeste, com aplicações de R$ 10,4 milhões. As somas demandadas se destinam à adoção de práticas que contribuam para a redução da emissão de gases que agravam o efeito estufa. Neste caso, o objetivo das aplicações é atender principalmente à recuperação de pastagens e ao reflorestamento”, completa o assessor.

Condições facilitadas

Criado pelo governo federal, o programa ABC disponibiliza recursos para os agricultores de todo o país. As condições dos contratos são facilitadas, com taxa de juros de 5,5% ao ano e prazo para pagamento de até 15 anos.
“Os números referentes à demanda de crédito do Programa ABC mostram o crescente interesse dos agricultores mineiros em participar dos compromissos assumidos pelo país, que participou da Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP 15)”, avalia o secretário da Agricultura, Elmiro Nascimento. “A meta é evitar a emissão de 165 milhões de toneladas equivalentes de gás carbono nos próximos dez anos, por meio de práticas agrícolas sustentáveis.”
Para a obtenção do crédito, que facilita a adoção de técnicas industriais e agrícolas adequadas nas propriedades do Estado, os agricultores contam com a assistência dos extensionistas da Emater-MG, vinculada à Seapa. Segundo o secretário, o objetivo é garantir as condições necessárias para conciliar o aumento da renda com o crescimento sustentável.

FONTE: Ivani Cunha - Assessoria de Imprensa Grupo Cultivar