CERCA DE 60 VÍTIMAS DO INCÊNDIO DE SANTA MARIA ERAM ESTUDANTES DE CURSOS DE CIÊNCIAS RURAIS



Daniela Azeredo
Santa Maria-RS

O incêndio na boate Kiss, em Santa Maria (RS), na madrugada de domingo, dia 27, chocou o país e, inclusive, o meio rural. Mais de cem jovens que morreram na tragédia eram estudantes da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Grande parte destes alunos estavam diretamente ligados ao campo, em graduações como agronomia, zootecnia e medicina veterinária.
Segundo nota a Defesa Civil, 231 pessoas morreram na tragédia, considerada a maior do gênero dos últimos 50 anos no país. Nesta segunda, dia 28, o campus de Ciências Rurais da UFSM estava vazio. A instituição suspendeu as aulas até a sexta, dia 1º.
– O Centro de Ciências Rurais está muito triste e comovido pela perda de mais de 59, 60 alunos que faziam parte da nossa comunidade. Os alunos que vêm para o Centro de Ciências Rurais estão acolhidos como nossos filhos. Não tem uma explicação, uma justificativa, a gente fica comovido – lamenta o vice-diretor do Centro de Ciências Rurais, Irineo Zanella.
– Essa dor que todos nós estamos sentindo, especialmente dos cursos da área rural, que tinham maior número, é muito difícil. A situação comove muito e não temos como expressar em palavras o que estamos sentindo – pontua o diretor do Hospital Veterinário da UFSM, Sérgio Segala.
Fabiano Vaz, professor dos cursos de agronomia, medicina veterinária e zootecnia perdeu vários alunos.
– Foram pessoas tão conhecidas, que a gente desenvolveu uma relação próxima, de sala de aula ou por convivência de corredores. É lamentável – diz.
A cena do velório coletivo no ginásio desportivo municipal correu o mundo e, certamente, não vai mais vai sair da memória dos brasileiros.
– Na verdade, eu perdi vários alunos aqui. Confirmados são dois, mas têm os amigos de alunos também, então estamos aqui solidários a esse sofrimento. É um sentimento que não temos como explicar – afirma a professora Renata Valeska.
No local da tragédia, pertences das vítimas ficaram pelo chão. A cena dos amigos e conhecidos morrendo na tentativa de se salvar não sai da cabeça de Letícia Zuliani. Mesmo com a costela quebrada, a sobrevivente compareceu ao velório dos sete amigos que perdeu no incêndio
– Estávamos comemorando. Muitos amigos eu perdi lá dentro.
O fatídico dia também não será esquecido por Jaime Lima, tio de uma vítima:
            – Na ânsia de tentar se salvar e salvar outras pessoas, ele acabou falecendo. É uma dor muito grande, só o tempo vai remediar essa situação.

FONTE: Canal Rural