TRABALHADORES RURAIS VÃO ÀS RUAS NO 5º GRITO DA TERRA



Niúra Belfort

Os trabalhadores do campo farão uma grande manifestação na próxima quinta-feira, 4 de julho, em Aracaju, durante a realização do 5º Grito da Terra Sergipe. A expectativa da Federação dos Trabalhadores na Agricultura de Sergipe (Fetase) é que cerca de três mil pessoas participem da caminhada e do ato público.
Esse número pode ser ainda maior, porque temos feito mobilizações em todos os municípios. Promovemos debates nos sindicatos e reuniões por polos, por região mostrando para o homem do campo a importância de irmos às ruas levar nossa pauta de reivindicação, afirma Júlio Santana, coordenador Estadual da Terceira Idade da Fetase.
A manifestação começará com a concentração na Praça da Bandeira, a partir das 8 horas. Às 9 horas, os trabalhadores rurais seguirão para o Palácio de Despachos, na Avenida Adélia Franco, onde deverão chegar por volta das 10 horas. Nesse local, será realizado um ato público.
Segundo Júlio Santana, da Fetase, os trabalhadores defendem a criação da Secretaria Estadual da Agricultura Familiar. O governo precisa dar mais atenção a esses trabalhadores na aplicação de recursos e na elaboração de políticas públicas voltadas para esse setor, responsável por abastecer as cidades de produtos agrícolas, enfatiza.

MAIS SEMENTES

Os rurais querem ainda mais sementes para os pequenos agricultores. O que o governo dá não é suficiente para atender a demanda. Há sindicatos que recebem uma quantidade tão pequena de sementes que não conseguem nem distribuir, diz. O governo precisa incentivar, também, a política de crédito e ampliar a assistência técnica.
Júlio esclarece que tem havido uma redução no quadro de técnicos no Governo do Estado, devido à aposentadoria, e os que permanecem atuando não são capazes de atender toda a demanda dos trabalhadores rurais. A Fetase reivindica a realização de concurso público como forma de suprir essa carência.
A presidente Dilma já sinalizou com a criação da Agência Nacional de Assistência Técnica e estamos reivindicando que o Estado faça o mesmo, afirma o coordenador da Terceira Idade da Fetase. Mas a pauta de reivindicação dos rurais é bem mais extensa e abrange a luta pela reforma agrária e por políticas públicas de conservação ambiental e de melhoria na qualidade de vida e trabalho para os homens e mulheres do campo.

APOIO

Os rurais reivindicam também a adoção de medidas que assegurem a convivência do homem com o semiárido, a reestruturação e a garantia de participação mínima de 50% de agricultores nos perímetros irrigados e projetos de irrigação, e ampliação do número de bolsas do PETI para o campo.
Para Edival Góes, presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil em Sergipe (CTB/SE), toda a sociedade deve se engajar nessa luta dos trabalhadores do campo. Eles irão às ruas mostrar a sua força e sua organização, e precisam do apoio de todos. O governo também tem que fazer a sua parte, salienta. O dirigente da CTB/SE espera mais resolutividade para os problemas que afetam os trabalhadores rurais e estará ao lado dos rurais construindo o 5º Grito da Terra Sergipe.

FONTE: Plenário