Curso Gratuito EaD "Prevenção do Coronavírus no meio rural"

O Portal Brasil Agrícola, em parceria com a Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), Pró-Reitoria de Extensão e Cultura e Divisão de Fazendas, está ofertando gratuitamente o Curso de Capacitação "Prevenção ao coronavírus no meio rural", com carga horária de 90 horas e emissão de Certificados. Serão ofertadas três turmas. As inscrições podem ser feitas entre 22 de junho a 31 de agosto de 2020. Para realizar a sua inscrição, clique aqui. Não perca essa oportunidade, cadastre-se e compartilhe o conhecimento com seus amigos!

PLANTAS DANINHAS ALIADAS A SUSTENTABILIDADE


Kamila Pitombeira

          Quando o assunto é plantas daninhas, costuma-se pensar primeiramente em qual herbicida utilizar. No entanto, uma pesquisa realizada pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) mostra que as plantas daninhas, desde que analisadas previamente, podem conviver de forma saudável com as culturas e ainda auxiliar o produtor rural. 
        A pesquisa observou e analisou diferentes espécies de plantas daninhas na cultura do eucalipto, chegando à conclusão de que, algumas delas, podem ser utilizadas, de modo sustentável, como fixadoras de nitrogênio, como plantas medicinais ou ainda voltadas para a alimentação humana e animal. Segundo Otávio Cardoso Filho, mestre em Ciências Agrárias do Instituto de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e autor da dissertação “Ecologia e Dinâmica de Plantas Daninhas em Cultivo de Eucalipto em Diferentes Relevos”, o objetivo da pesquisa foi avaliar o comportamento de plantas daninhas levando em consideração o desenvolvimento da cultura e o tipo de relevo. 
          — Além disso, outro objetivo foi entender a importância dessas plantas para o homem e para o meio ambiente. Essa pesquisa foi realizada em quatro épocas diferentes com três tipos de relevo diferentes: baixada, encosta e topo. A partir daí, foram distribuídas 10 parcelas em cada tipo de relevo — conta o autor.
          De acordo com Cardoso, algumas das plantas analisadas podem ser usadas para alimentação humana e animal. Outras funcionam ainda como plantas medicinais, além de espécies que podem ser usadas como fixadoras de nitrogênio ou tóxicas.
         O mestre em ciências agrárias explica que no município de Guanhães foram encontradas 17 espécies medicinais, 4 alimentícias, 7 fixadoras de nitrogênio, 12 forrageiras, 2 tóxicas e 4 ornamentais.
          — A partir dessa pesquisa, a ideia é realizar um manejo diferenciado onde, ao invés de controlar essas plantas com um possível herbicida, utilizá-las como companheiras na cultura do eucalipto e em outros tipos de cultura. É uma forma sustentável de aproveitamento e controle dessas plantas, utilizando-as no desenvolvimento da cultura — conta.

FONTE: Portal Dia de Campo
Matérias assinadas ou com indicacação de fontes são de responsabilidades dos autores, não expressando opiniões ou ideias do Brasil Agrícola.